Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mas para que raio quero eu um blog?

Um blog sem pernas para andar, com uma dona sem vontade de escrever.

Um blog sem pernas para andar, com uma dona sem vontade de escrever.

Mas para que raio quero eu um blog?

14
Mai24

Uma pessoa vai comer fora poucas vezes e quando vai é com cada desilusão.

Carla

Quando cheguei ao burgo disseram-me para nunca trabalhar para portugueses, além de pagarem mal, têm a mania que são mais que os outros. Não me lembro como conheci a Té, nem como foi que fui trabalhar para casa dela. Mas desde o primeiro dia gostei deles, ouve ali um feeling qualquer que passou do patroa/empregada para uma relação de amizade. Quando a Té decidiu casar e ir morar para casa do marido, resolvi que não ia trabalhar mais para ela, a casa era longe e eu tinha e tenho como decisão, trabalhar na vila onde moro. Perder muito tempo em transportes públicos diariamente, é coisa fora dos meus planos desde o primeiro que pisei este país e assentei arraiais na vila do Luxemburgo. Mas continuámos amigas e volta e meia combinávamos e passavámos o fim-de-semana juntas num parque de campismo no norte, onde ela tinha um bungalow arrendado ao ano. O mais novo dela foi estudar para Lisboa, o marido reformou-se no ano antes, e a Té decidiu que era hora de regressar a Portugal. A vida dela agora passa poucas vezes pelo Luxemburgo, mas de vez em quando tem de cá vir em trabalho, e quando nos permite a ambas tomamos um café.

Hoje permitiu-nos ir almoçar e ver fotos do neto, do filho mais velho, que já vai fazer 5 anos e saber novidades do mais novo que no ano passado foi trabalhar para os Estados Unidos. Também ela ficou contente de saber novidades dos meus.

Quanto ao almoço... o que me calhou porque foi o que pedi.

O bacalhau estava insosso e esteve pouco tempo na brasa, a posta era alta e no meio estava cru. A pessoa que deu o murro nas batatas fê-lo com uma agressidade excessiva. As migas ... na minha terra levam couve, feijão-frade e broa, salteadas em azeite e alho. Couve, feijão-frade e creio que era bacon, de tão esturricado que estava dificultou-me a investigação. Deixei no prato. Não só as migas mas metade do bacalhau. Sobremesa nem ousei pedir. A meia jarra de vinho vinha surrada, mal encheu os dois copos. A espetada da Té tinha bom aspecto, cheirava bem e ela disse que estava muito boa. A carne era tenrinha e suculenta. O arroz de feijão malandrinho, ótimo para ir molhando o pão enquanto o ia comendo.

Se a vida é feita de escolhas, hoje a escolha que fiz não foi a acertada.

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub