Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mas para que raio quero eu um blog?

Um blog sem pernas para andar, com uma dona sem vontade de escrever.

Um blog sem pernas para andar, com uma dona sem vontade de escrever.

Mas para que raio quero eu um blog?

05
Abr24

Ao fim de três dias todo o hóspede enjoa.

Carla

 

Minha querida amiga Tendinite,

Tu que tens um nome giro que se farta, podias ter sido nome de perfume, de flor, de uma pedra preciosa, de mil e uma coisa, mas não! Resolveste dar o teu gracioso nome a uma inflamação de um tendão.

No fundo, até te consigo suportar e tolerar quando dormes, és uma companhia simpática quando não sinto a tua presença, mas ... Porque despertaste? Saudades do jeitoso do fisioterapeuta? Tem juízo rapariga, dá-me descanso! Deixa-me realizar sem dificuldades as tarefas simples do dia-a-dia.

Ou então, vai-te!

Nunca ninguém te disse, que ao fim de três dias todo o hóspede incomoda? Eu não te convidei para minha casa, fizeste-te convidada, chegaste sem avisar, foste ficando e ocupando espaço, olha... e mais te digo, a tua presença, começa a atrapalhar-me e bastante, a vida! 

20
Mar24

Aí está ela, a Primavera!

Carla

 

Está prestes a chegar e este é daqueles que não precisa de convite, chega e instala-se, sem maneiras e sem modos,  vai-se impor, estender-se desde a rua ao interior da casa. Pairar no ar. Vai ser inalado e depois vão começar as fungadelas, os espirros consecutivos, as comichões na pele, as irritações nos olhos, céu da boca e garganta. Vou começar a ficar impaciente porque os anti-histamínicos, descongestionantes e os corticoides não agem na rapidez da minha necessidade de alívio. Não tardará em ficar mal-humorada e logo, logo, começo a desejar que chova para acalmar a situação.  Eu própria sou um paradoxo, uma pessoa que vive em eterna contradição, eu que tanto anseio por sol e bom tempo... gera-se a desordem na minha cabeça. 

Só queria ser uma pessoa livre e sem narinas entupidas. 

Maldito pó amarelo!

13
Mar24

Quem tem mazelas, tudo lhe dá nelas.

Carla

Hoje estou para aqui virada. Os ditos populares acompanham-me. Mas o meu joelho esquerdo é a prova em que não se pode ter uma mísera dorzita, que tudo lá vai bater e agravar a dor.

Aqui à uns tempos queixei-me, e eu que nem sou nada de me queixar, que cada vez que subo ou desço escadas o joelho doi-me. Fui à médica e a senhora doutora, depois de dobrar, esticar, flectir para a esquerda e para a direita, chegou à conclusão que não tinha nada, nem líquido, nem inchado e o ranger do joelho era normal. Coisa da idade. Psicológico deu ela a entender...  Na última longa caminhada que fiz, descobri que não é o joelho que me doi, é perto da rótula do lado direito que o meu psicológico me atormenta, pois nessa noite o psicológico cada vez que encostava no lençol manifestava-se numa dor aguda. Talvez devesse ter ido à médica no dia seguinte, mas não fui. Até hoje não pus lá mais os pés. Até porque o meu psicológico não tem dado sinais. Mas na quinta ao sentar-me num banco bati com o psicológico nele, nada de grave. Na sexta ao subir o passeio coloquei mal o pé e o psicológico reclamou. No domingo à noite depois de todos os quilómetros feitos durante o fim-de-semana, o psicológico sentiu-se. Segunda e ontem dei-lhe descanço, mas hoje já lhe fiz outra mazela, ao ajoelhar-me para aspirar debaixo da cama, bati com o psicológico no chão à bruta, o desgraçado até uivou, de modos que estou a pensar voltar à médica.

Ela que me desculpe a insistência, mas isto de psicológico não tem nada. A mazela tá lá e hoje doi que se farta! 

 

 

 

06
Fev24

Saiam-me da frente por favor!

Carla

Preciso de fotocopiar um monte de papéis para ainda esta semana os levar aos impostos, e a impressora desde ontem que mos devolve em branco. Falta de tinta, pensei. Saí de propósito cedinho esta manhã e antes de ir trabalhar passei na loja para comprar os tinteiros.

 Andamos nisto... Liga impressora, mete a folha para fotocopiar, carrega no botão, folha em branco... desliga impressora, retira os tinteiros, coloca tinteiros, liga impressora, mete a folha, folha em branco!  Estou com um irritamento por todo o corpo, uma raiva  poderosa que se alastra minuto a minuto sempre que olho para a impressora. Por isso saiam da frente que vou começar a ser agressiva, vai a soco e pontapé, logo eu que sou love, peace e hapiness. 

Rásparta a máquina! Isto não fica assim, continua a fazer-te de engraçadinha e a devolver as folhas em branco, que vais ver!

Aviso-te que estou a perder a paciência. Ou me devolves o papel com todas as letrinhas bem imprimidas ou és substituda daqui a pouco.

30
Jan24

Se o gato me volta a morder, eu juro que o mato!

Carla

Desgramado do gato que até é tão giro, amarelo com riscas brancas, com um ar tão fofo e gentil, mas que à três noites seguidas me ferra os dentes na mão direita. Ontem não satisfeito com a ferradela, que deixou marcas profundas mas não sangraram, ferrou-me na perna, depois de ter sido arrastado, preso com a boca na minha mão até à sala onde estava a dona. 

A dona, Rita, que não conheço de lado nenhum, depois de me acusar que sou eu que o provoca, o que me irritou imenso e logo ali houve uma troca de palavras, saíu desembestada da minha sala com o gato nos braços. 

Despois disto acordei, eram duas horas e quarto minutos e custou-me imenso voltar a adormecer. 

Já pesquisei no Sr. Google o significado do sonho, mas as hipóteses são múltiplas e como diz uma amiga, tens de ver à tua volta a que melhor se encaixa. 

Escolho esta!

"Mordida de gato em sonho significa que algumas mudanças e novidades estão chegando em sua jornada"

Mas também vou ficar atenta a esta!

"Outra interpretação é que o sonho com gato mordendo simboliza deslealdade de parte de alguém próximo a você. Se descobrir de quem se trata, é recomendável se afastar dessa pessoa. Para que você possa seguir sem preocupar-se com alguém que age com você naturalmente, mas é falso."

 

23
Jan24

Epaaa tudo menos zombies!

Carla

Tanto se fala de novas pandemias, que até dá a sensação que andam a "cozinhar" algo.

"Vírus zombies congelados a Sibéria podem causar novas pandemias" dizia a notícia em letras grandes. "Devido às alterações climáticas estes vírus podem ser libertados causando emergências mundiais de saúde catastróficas". Alertam os cientistas.

 

O horror! A tragédia!  Mas... não se apoquentem!

Há anos que assisto a este tipo de filmes e séries, finalmente as horas a queimar pestanas em frente da televisão, terão utilidade.

Em breve lançarei o manual "Como reagir a um ataque de zombies para totós", este terá dicas e outros conselhos que podem ser úteis em caso de uma calamidade. Será também traduzido em várias línguas. O manual estará disponível em forma de livro ou pdf. 

E perguntam vocês à vossa expert na matéria, devemos ficar preocupados?

Não! Se eles forem do tipo Walking Dead, tá tudo bem.

Sim! Se forem como os da Coreia ou da China, nesse caso estamos lixados, que eles correm mais que os vivos.

 ... não pensemos muito no assunto, porque de certeza que a Pfizer já tem a vacina. Mas...como nunca é suficiente só uma dose, aconselho a adquirirem o manual! 

Agora fora de brincadeira, será que nós precisamos constantemente deste drama?!  Será mesmo necessário andar diáriamente a promover a angústia e a ansiedade ?!

 

12
Jan24

Coisas do dia-a-dia que não matam mas moem!

Carla

O despertador tocar naquela hora exacta em que estás a dormir ferrada e a ter um sonho porreiro. Não mata, mas mói! 

As cápsulas do café virem demasiado cheias e o café sair às mijinhas. E tu com pressa porque só tens 10 minutos, para o beber, vestir o casaco, meter o cachecol, gorro e as luvas, sair de casa, correr para a paragem e apanhar o autocarro para ir trabalhar. Não mata, mas mói!

Pessoas no autocarro a falar alto ao telemóvel ou a enviar e a receber mensagens de voz, quando vais ali meia ensonada, o cérebro em off e nem um murmurinho te apetece ouvir. Não mata, mas mói!

Chegar a casa do patrão e saber que só estiveste fora 6 dias, mas ao olhar para o cesto de roupa para passar a ferro, parece que estiveste fora quase um mês e vais passar as primeiras horas da tua manhã fechada na lavandaria. Não mata, mas mói!

Sair do trabalho 15 minutos mais cedo, porque tens um compromisso 1 hora depois, e o motorista do autocarro ir tão no relax que parece que vai a conduzir um autocarro de velhinhos num tour turístico pela cidade. Não mata, mas mói!

Pessoas estateladas em frente das prateleiras do supermercado e que se metem à tua frente quando vais tirar uma coisa. Não mata, mas mói!

Olhar para a folha de salário e ver a quantidade de euros que deverias receber, mas que são enviados automaticamente para os cofres do estado. Não mata, mas mói!

Ser quase 17 horas, daqui a 30 minutos  tens de estar no trabalho e não encontrar as chaves dos escritórios. Procurar, procurar, começar a desesperar, quase a acreditar que perdeste as chaves, o tempo a passar e começas a ficar fodida porque já reviraste tudo à procura do molho de chaves. Até que as encontras num bolso da carteira, que só usas para guardar pensos higiénicos e tampões. Não mata, mas mói!

Calçar dois pares de meias, porque só com um par os pés andaram o dia todo gelados, as botas apertarem,  o calo do dedo mindinho se queixar e começar a doer e os pés, esses continuaram gelados. Não mata, mas mói!

Quando vais cheia de pressa e os semáforos ficam todos vermelhos para os peões quando te sentem aproximar, parece que se uniram para te tramar e obrigar a chegar atrasada ao trabalho. Não mata, mas mói!

Perceber que sobrou um dinheiro ao fim do mês e esfregas as mãos de contente porque te apetece mimar e comprar qualquer coisa para ti, mas ao tirar a roupa da máquina que puseste a lavar a 95° notas que a roupa está gelada, a máquina está a avariar e tu não consegues viver sem ela. Não mata, mas mói!

Apetecer-te torradas ensopadas de manteiga, que derretida escorre pelos dedos abaixo, e verificares que não tens manteiga suficiente na embalagem. Não mata, mas mói!

 

 

09
Jan24

A estupidez humana não tem limites!

Carla

Quem é que se lembra de atirar àgua para um passeio, para o lavar, suponho, em dias de temperaturas negativas? Será que não passa pela cabeça destes iluminados, que a àgua gela e fica tipo ringue de patinagem? Em ruas pouco iluminadas, uma pessoa nem se apercebe do perigo, que está debaixo dos pés.

Vá lá, vá lá, só amassei o cú, podia ter sido bem pior!

Balhasemedeus!

08
Jan24

Estava aqui eu a pensar ...

Carla

... na morte da bezerra e na merda de tempo, que não há modos de nos largar e dar lugar ao sol, neste céu cinzento, nestes flocos de neve que tanto caiem com vontade, como a seguir param de cair e que já me fizeram espalhar carradas de sal no passeio, não vá alguém implicar porque o passeio escorrega, e neste vento gelado que há dias e dias que não pára de soprar... que mal uma pessoa mete o pé na rua, fica gelada até aos ossos, e lembrei-me! Claro que só pode ser culpa do (des)governo!

É que, se nos dessem um index maior que a inflação, o salário era melhorzito e poderiam sobrar uns euros e neste momento, eu poderia estar numa ilha tropical, a sul do hemisfério norte, a curtir o verão. 

Porra pá! Fechem lá as portas do polo norte que ainda apanho aqui uma pontada!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub