Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mas para que raio quero eu um blog?

Um blog sem pernas para andar, com uma dona sem vontade de escrever.

Um blog sem pernas para andar, com uma dona sem vontade de escrever.

Mas para que raio quero eu um blog?

23
Jun24

Somos todos aliens em algum momento e em algum lugar.

Carla

Depois da tradicional salsicha, carregada de maionese que comi numa das muitas barraquinhas espalhadas pela vila, a Di e dois amigos dela juntaram-se a mim, para assistirmos ao fogo de artifício, no início da ponte Adolphe. Deixámos-nos ficar por ali o tempo suficiente de um outro amigo chegar, e tomámos direção ao centro. Por mim a noite tinha terminado, aquele mundo de gente, a maior parte já bem entornada, dj's tasca sim tasca sim, e o bum bum bum bum em decibéis altíssimos para ouvidos sensíveis era perfeitamente dispensável. Mas acompanhei-os até á zona histórica onde a festa bombava. Do grupo conhecia a Di, os outros eram-me completamente estranhos. Veio então aquela parte chata de ter de socializar, onde as conversas triviais e banais têm de ser feitas perto do ouvido ou tens de gritar e mesmo assim não ouves o que te é dito. Depois de palmilhar à esquerda e à direita, sempre empurrados pela multidão, assentámos arraias na praça Clairefontaine, menos gente e o dj mais soft com a música que dava ao pessoal pra dançar. E havia bancos... as minhas costas já reclamavam por um. Ali num ambiente mais tranquilo a cerveja até tinha outro gosto e conseguiamos-nos ouvir uns aos outros.

Até que a conversa de trivial e banal passou a assuntos sérios sobre a espiritualidade, a essência, o significado profundo, a vida e a nossa forma de a encarar. As conversas são como as cerejas e havia ali assunto para várias horas. Não no ambiente onde estávamos, mas a cerveja leva nos a estados de espírito mais filosóficos. 

Um dos moços prepara-se para ir fazer o caminho do norte até Santiago, sentiu que era o momento e vai dedicar os 32 dias de férias a percorre-lo. Comentei que também gostaria de o fazer quando estiver reformada, mas que me ando a preparar para fazer do Porto a Santiago, talvez para o ano. 

A partir deste momento a conversa rodou à volta do tema "camiño", onde todos me pareceram experts e conhecedores da grande missiva espiritual que é chegar à catedral. Nisto, ele volta-se para mim e solta a pergunta, se tinha sido o livro "Diário de um Mago" que me tinha inspirado a fazer o percurso. 

O horror, o drama e a tragédia aconteceu quando o informei que não, que nunca tinha lido o livro, e nem sabia quem era o escritor. Como é possivel Carla Maria desconheceres Paulo Coelho e não te teres inspirado num livro, que desperta a vontade em alguém em realizar algo? Bem... em minha defesa, eu conheço Paulo Coelho, mas... normalizem o facto de uma pessoa nunca ter lido Paulo Coelho, ok! 

Com aquelas pancadinhas condescendentes nas costas, senti-me alien no meio de gente entusiasta e amante da narrativa do escritor. Tão alien, tão fora, que hoje de manhã desmarquei o programa desta noite. Não fosse ele vir carregado com todos os livros do senhor e eu ter de estar, com um ouvido a tentar assimilar o assunto e o outro, a embebedar-se ao som de Morcheeba.

 

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub